Comentários sobre a antena RGP3

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page

RGP3Amigos da lista, em especial, aqueles que gostam de aventuras pelo rádio. Permitam-me compartilhar uma experiência recente. Para aqueles que não desejam lê-la, não faz mal, podem deletar a nota, pois não sei quantas linhas ela terá. Desculpe-me.

Há dias atrás, tive o privilegio de receber a antena RGP-3. Uma antena que não está à venda em lojas, nem em listas de encomendas internacionais, mas, feita especialmente a pedido, por um engenheiro de mão cheia que temos aqui na lista, o René Passold. Não vou me delongar muito a respeito da elaboração técnica da mesma, pois daria um bom pedaço a mais neste e-mail além de tomar mais ainda o vosso precioso tempo.

Em resumo, são ferrites e bobinas dentro de um tubo de PVC de 2 polegadas com uns 35 cm de comprimento, acoplados a capacitor variável e a um botão externo numa das extremidades do tubo que permite executar a variabilidade em questão. Conheci no ano passado o principio ativo deste tipo de antena na casa do Carlos Felipe junto com o Rogildo Aragão, e tomei a liberdade na ocasião de pedir ao meu amigo René Passold que montasse uma destas para mim, dentro da limitação de tempo que o mesmo dispunha. E deu no que deu. Uma antena de primeiro mundo… Uma antena que me surpreendeu pela resposta. Não estou absolutamente questionando outros recursos que outros dexistas usa para ouvir ondas medias e longas, mas eu me dou por satisfeito. Me dou por satisfeitíssimo. Podem acreditar.

A operacionalização do sistema antena + receptor exige uma base (de preferência giratória), que foi construída sob encomenda por um marceneiro de perto de minha casa. Se não existir este esquema, não há como efetuar uma boa operacionalização e nem aproveitar-se ao máximo o rendimento que a antena oferece.

Quatro parâmetros são necessários para a obtenção do melhor resultado, com o receptor colocado com a parte ‘debaixo’ (em paralelo) do tubo (numa distancia aproximada de um centímetro entre a parte superior do receptor e a antena alojada na base construída. Menos que isto, provoca uma saturação de sinal).

Os parâmetros:

1. Digitação (ou localização analógica) da freqüência desejada;

2. Giro da base (com o sistema) para obtenção da melhor posição de recepção;

3. Busca do melhor ajuste no capacitor variável da antena;

4. Deslocamento lateral do receptor debaixo da antena, sem alteração dos ajustes mencionados nos itens anteriores, aumentando com isto ainda mais o rendimento.

Estudei por um tempo a combinação deste quarto ponto em relação aos anteriores já conhecidos (numa similaridade com a loop de 50 com de aresta que tenho) e verifiquei que o resultado melhora ainda mais. Obviamente a propagação aberta tem muito a ver com uma boa recepção, mas para mim as escutas ocorridas na noite passada, como diz o meu amigo Wilson Rodrigues “… foi mais da conta…”. (Um abraço, Wilson). Sem a antena em questão, em alguns casos, ausência total do sinal.

O que foi ouvido (horários UTC) dentro de minha casa, com a antena e o rádio ao lado da cama numa banqueta. Acredito que num lugar mais apropriado, a coisa melhora ainda mais:

a. Inúmeros beacons entre 300 e 525 kHz. Vou relatar algo sobre isto num outro dia.

b. 1642 SS56 em CW (trata-se de plataforma petrolífera? Não estou certo).

c. 1630, emissora de La Plata (Buen Aire), as 01:40 com SINPO 35553.

d. 1620, não consegui identificá-la, mas creio ser a Tropicana (???), com 35543.

e. 1610, também não consegui identificar se era de Posadas, ou da região de BA, com 25542.

f. 1510, Rádio Teresópolis (primeira escuta), de Teresópolis – RJ

E, surpreendente pelo horário: a. 1220 ‘Por baixo’ da Rádio Globo, estava uma outra emissora em castelhano. Vou estudar a procedência da mesma e tentar uma nova escuta.

b. 530 Vision Cristiana, Turks & Caicos, as 0156, com SINPO 35533.

c. 532 Radiodiffusion Algerienne, as 0250, com SINPO 25522 (*).

(*) A programação desta emissora era: leitura de trechos literários, monotonicos, em árabe por voz masculina, com tendências a ser o Alcorão. Não tenho certeza. Canções em árabe, muitas delas, intercaladas por um locutor em francês. A principio, pensava tratar-se da emissora que transmite de Granada, América Central. Da América Central também algumas emissoras ‘falam ‘ em francês. Porem as canções apresentadas nada tinha a ver com a América Central. Hoje cedo, telefonei para o Martin Elbe, dexista de Wolfsburg, Alemanha (ADXB), e antes de me aventurar a dizer isso ou aquilo, ele me disse que se tratava mesmo de Argélia, pois eles também ouvem estas transmissões na mesma característica lá na Alemanha. Embora, não fechei a questão dizendo se tratar da Argélia, vou continuar pesquisando. Talvez possa obter ajuda de alguém da lista. A freqüência original é 531 kHz, mas dado, ao bom sinal da Vision Cristiana, esta estava ‘espremendo’ a outra emissora para fora da freqüência, podendo ser ouvida inclusive em 533 e quase em 534 kHz.

Os receptores utilizados foram: Sony ICF-SW100 (analógico… excelente, mesmo sem a antena) e o Sony ICF SW 7600G.

Desculpem-me pelo longo e-mail. Mas, como dexista, não posso deixar de trocar este tipo de informação, e falei com o projetista da antena, e batizei-a de RGP3 (3ª versão da antena construída pelo René Gustavo Passold) como homenagem merecida ao o idealizador e construtor da referida antena.

Por Rudolf Grimm

PROJETO MEMÓRIA DO DXCB

Colaboradores:

    Antonio Geraldo Paim da Silva
    Carlos Felipe da Silva
    Dante Vanderlei Efrom
    Itamar Nunes de Assis
    Ivan Dias
    José Carlos Cruz
    Luciana Miura Sugawara Berka
    Márcio Roberto Bertoldi
    Mário Cesar Pinto Brignol
    Samuel Cássio Martins
    Valter Aguiar

RGP3

Deixe uma resposta