Dicas para criação de modelos de informes em vários idiomas

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page

Um dos maiores problemas enfrentados pelos Dexistas Brasileiros é redigir informes de recepção para emissoras utilitárias em países onde o idioma falado não é o Português (na esmagadora maioria dos casos nos encontramos nesse tipo de situação). Ao considerar as possíveis barreiras existentes no envio de um informe de recepção, além da inclusão de custeio de retorno ou alguma outra forma para se chamar a atenção de quem estiver lendo a sua carta, este deve ser um dos maiores, se não O MAIOR dos problemas. Alguns Dexistas Utilitários certamente possuem um bom conhecimento de algum outro idioma, mas certamente não são todos que possuem esta vantagem.

Uma alternativa para aqueles que fam uso de computadores e que provavelmente passam um bom tempo navegando na internet, é o uso de tradutores eletrônicos. Com um pouco de paciência pode-se obter versões shareware de programas tradutores capazes de traduzir textos para o Inglês ou até mesmo Croata. O problema é encontrar algum programa que realmente atenda as nossas necessidades. É neste ponto em que alguns acabam desistindo, por conta das limitações deste tipo de programa pois seu resultado na maioria das vezes acaba sendo muito ruim devido ao dicionário meramente genérico que muitos possuem.

Entretanto, alguns desses aplicativos podem possuir vocabulários mais “técnicos”, atendendo melhor as nossas necessidades. Além deste tipo de recurso, há um bom livro chamado “Language Lab – The Foreign Language Reporting Guide,” escrito pelo conhecido Dexista Gerry L. Dexter. Com ele você pode redigir informes de recepção com alta qualidade e com risco mínimo de repetição de conteúdo com relação a outras pessoas que o possuam, desde a saudação até o seu final. Ele possui volumes para edição de informes em Espanhol, Francês, Português e Indonésio.

Artigo publicado no boletim de Agosto de 1996 do Worldwide UTE News.

Por Martin C. Barry

Deixe uma resposta