O cartão QSL em debate

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page

Você é daqueles que adora receber confirmações seja em forma de cartas, ou de cartões? Ou aprecia recebe-los, mas não faz tanta questão, dando mais atenção aos suvenires enviado pelas emissoras?

Na década de 60 quando comecei a me interessar pelas escutas radiofônicas desconhecia, como muitos, da existência das confirmações feitas pelas emissoras, uma vez que nossas atenções estavam mais voltadas pelas ótimas programações que nos eram oferecidas. Também, com 10 anos de idade, eu queria mesmo era pegar naquele botão enorme que o Philips tinha e descobrir o máximo de coisas diferentes do nosso cotidiano. Os receptores antigos tinham um volante preso ao eixo do botão de sintonia e se você desse um giro com força nele e soltasse, ele ia de um lado de dial ao outro e, em frações de segundos ia passando por vários radio-países. Embora não entendesse nada dos tantos linguajares diferentes, ficava ouvindo tudo, o que chamava sempre a atenção das pessoas ao nosso lado que indagavam: “Que graça você acha em ouvir uma língua que não entende nada?”

Interessante que meu cartão QSL da Voz da América veio preenchido e assinado sem ter feito um relatório de recepção, enviei apenas uma carta informal, sem grandes detalhes. No entanto para um relatório de recepção de um jogo de futebol em Portugal enviado a RDP, recebi o cartão junto com uma reprimenda de que meu relatório estava incompleto, pois faltavam detalhes. Naquela época achei um absurdo, pois meu relatório era rico em detalhes, acho que eles queriam que eu narrasse o jogo na carta: “Eusébio lançou a pelota para Joaquim, que cabeceou para Manoel…”. Assim também não, né?

Até onde vale a pena investir alto para conseguir uma confirmação? Claro que dependerá do valor que você dá a uma confirmação. Em termos de valor estimativo, que valor terá um cartão QSL da Rádio Berlim, Voz da Resistência do Galo Negro, Rádio Paz e Progresso, Rádio Central de Moscou dentre outras? Quem os tem sabe seu valor. Sei de casos verídicos de esposas de radioamadores que após seus maridos falecerem jogaram seus cartões QSLs no lixo a atearam fogo queimando dezenas e dezenas de anos dedicados ao hobby. Será que elas não poderiam estimular os filhos a gostar do hobby do pai ou doar os cartões a um rádio-clube por exemplo?

Meu olhar sempre atento de mineiro desconfiado já flagrou muitos radioescutas verificando um álbum repleto de cartões e cartas de confirmações passando as páginas enquanto olhavam para o rosto do seu interlocutor. É uma situação constrangedora, pois cada cartão de confirmação deve ser observado com calma, verificando-se com quem o conseguiu quais foram as dificuldades para obtê-lo, bem como outros detalhes. Muitos dexistas tem receio de expor suas confirmações temendo danificar ou mesmo sujar. Temos que ter os mesmos cuidados com os cartões que o filatelista tem com os seus selos, mas nada deve impedi-lo de mostrar aos interessados que apreciam apreciar os QSLs.

As discussões a respeito das RP’s (Respostas preparadas pelo ouvinte), feitas pelo Marcelo Toniolo e o Rudolf na coluna Rádio Contato foram ótimas, pois são dois experientes dexistas e cada um expôs seus pontos de vistas e, democraticamente, cada um fará o que achar melhor. As discussões, a meu ver, só irão acrescentar mais conhecimentos para todos os colegas!

Nem todo dexista tem este fervor pelas confirmações, alguns tem verdadeira loucura por adesivos, como um colega italiano muito conhecido pelos colegas brasileiros. Outros tem como meta as bandeirinhas, (flâmulas), que nos países sul-americanos de língua castelhana são muito comuns. No DX Brasil 99, em conversa com alguns colegas, eles me disseram que tiveram que adquirir um armário para conseguir guardar tantas camisas, bonés, adesivos e outros materiais enviados pelas emissoras. Cláudio Rótolo de Morais também nos mostrou uma confirmação de uma emissora estrangeira feita em placa de alumínio. Nosso amigo do Uruguai, Horácio Nigro, também nos apresentou confirmações muito exóticas bem como selos comemorativos ao rádio dentre outros. Os colegas que tiverem a oportunidade de verem uma coleção de confirmações de qualquer amigo não devem deixar passar em branco essa chance. Tive o privilégio de ver as confirmações de emissoras utilitárias do Marcelo Toniolo quando o mesmo residia em Osasco-SP, além de muitos outros colegas de São Paulo. Também vi a coleção do amigo mineiro Claudimir CGF, que também tem confirmações de países e emissoras exóticas!

Qual os conselhos eu daria a você para conservar bem os seus cartões QSLs? Desde que eles não sejam perfurados por grampos, impregnados com cola, fitas adesivas, enfim que fiquem intactos como vieram da emissora, todo meio para protege-los serão válidos, depende da sua criatividade.

Tivemos um período de baixas confirmações, mas parece que os bons tempos voltaram pois a coluna QSL sempre esta repleta, isso também é reflexo do grande envio de reportes as emissoras pelos sócios. E torcemos para que continue assim!

Por Wilson Rodrigues

Artigo publicado no boletim “Atividade DX” nº 194 – setembro de 2000.

 

PROJETO MEMÓRIA DO DXCB

Colaboradores:

  • Antonio Geraldo Paim da Silva
  • Carlos Felipe da Silva
  • Dante Vanderlei Efrom
  • Itamar Nunes de Assis
  • Ivan Dias
  • José Carlos Cruz
  • Luciana Miura Sugawara Berka
  • Márcio Roberto Bertoldi
  • Mário Cesar Pinto Brignol
  • Samuel Cássio Martins
  • Valter Aguiar
Iniciou seu gosto pelo rádio em 1957 quando a TV engatinhava no Brasil. Em 1992 conheceu o DXCB e desde então está no grupo interagindo com os amantes do rádio! No boletim Atividade DX, faz a coluna “Matutando!”, sempre com uma pitada de bom humor. Além disso, pesquisa e monta artesanalmente antenas para ondas médias de alto ganho!

Deixe uma resposta