A criatividade para a obtenção de QSLs

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page

O radioescuta que ainda não é um dexista tem o seu perfil mais ou menos estilizado, sem muita variação. Preocupa-se em ouvir emissoras de grande porte que transmitem no seu idioma. De fato é um bom começo. Não conhecemos dexistas, que sem conhecer algo do rádio, já partiram em busca de emissoras como Radio Solomon Islands – SIBC ou Radio Vanuatu. O início sempre se dá com emissoras que prestam serviço ao Brasil, quando não alguma emissora que transmite em espanhol. Estas emissoras são as portas para a obtenção dos primeiros QSLs. Para estas emissoras não há necessidade de muito esforço. Basta elaborar um bom relatório de recepção, mostrar-se interessado pela emissora, pedir o cartão QSL e aguardar um pouco. Logo chegará o esperado cartão QSL, o boletim de horários e freqüências e alguns outros brindes. Sem dúvida o futuro dexista ficará muito contente.

Depois de certo tempo, o radioescuta vai navegar em águas um pouco mais profundas, a procura de peixes raros. E aí se aventura em reportar emissoras mais difíceis. Difíceis de serem sintonizadas e difíceis de responderem aos relatórios de recepção. É aqui que entra uma certa habilidade que vai tornar o cartão QSL em uma verdadeira conquista. Nesta faixa de conquista não entram somente as emissoras internacionais, mas também emissoras nacionais de ondas médias e banda tropical, que costumam ter poucos diretores com sensibilidade na área. Porém vamos falar das emissoras internacionais.

Muitos são os dexistas de verdade que procuram empenhar-se a receber confirmações de emissoras que nem sempre respondem. Mas, antes de explorar um pouco mais esta faceta, notemos que os dexistas inicialmente necessitam sintonizar as referidas emissoras. Às vezes são sintonias que ocorrem madrugada adentro, em vésperas de feriados e finais de semana. Durante a madrugada surgem aquelas emissoras que não são ouvidas normalmente. Feito o informe, que pode ser em inglês, (mas nem sempre, pois os países que utilizam o francês gostam muito da sua língua!). Além do relatório se anexa uma carta com uma breve descrição pessoal, alguns “regalos” como adesivos, cartões postais, etc. Às vezes deve-se enviar um ou dois IRCs ou um dólar para cobrir a postagem de retorno.

E com toda certeza é indescritível a satisfação de se receber uma confirmação de um país como Gana, Camarões, Moçambique e tantos outros.

E você? Não acha que já é hora de voar mais alto e faturar estas e outras interessantíssimas confirmações?

Por Rudolf Walter Grimm

Artigo publicado no boletim “Atividade DX” nº 106 (maio de 1993).

 

PROJETO MEMÓRIA DO DXCB

Colaboradores:

  • Antonio Geraldo Paim da Silva
  • Carlos Felipe da Silva
  • Dante Vanderlei Efrom
  • Itamar Nunes de Assis
  • Ivan Dias
  • José Carlos Cruz
  • Luciana Miura Sugawara Berka
  • Márcio Roberto Bertoldi
  • Mário Cesar Pinto Brignol
  • Samuel Cássio Martins
  • Valter Aguiar

Um comentário em “A criatividade para a obtenção de QSLs”

  1. Amarildo Bertini disse:

    showwwww….

Deixe uma resposta