Aporte governamental é reconhecimento, diz diretora do Serviço Mundial da BBC

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page

Em entrevista ao programa Over to You, do Serviço Mundial em inglês, a diretora geral do Serviço Mundial da BBC, Fran Unsworth, afirmou que o retorno do financiamento governamental para o Serviço Mundial anunciado recentemente é uma forma de reconhecimento pelo trabalho realizado e ajudará a emissora a atingir sua meta de atingir meio bilhão de pessoas até 2020.

O aporte governamental – 34 milhões de libras em 2016/17 e 85 milhões em 2017/18, elevando o orçamento do Serviço Mundial para 330 milhões de libras, ou R$ 1,86 bilhão, pela cotação de 4/12/2015 – será principalmente empregado em novos serviços de rádio e televisão para a Coreia do Norte, Etiópia, Eritreia, Índia, Nigéria, Tailândia e Rússia, além de expansão dos serviços em inglês e árabe.

A diretora geral afirma que a única maneira de expandir o Serviço Mundial é por meio de aporte governamental, já que a taxa de licença paga pelos cidadãos britânicos – que era a fonte de financiamento do Serviço Mundial desde o ano passado – não seria suficiente para essas expansões. Ela garante, contudo, que a independência editorial do Serviço Mundial será mantida após o retorno do financiamento governamental. Segundo Unsworth, “o governo não tem intenção de interferir, pois nós perderíamos credibilidade”.

Questionada por Valter Aguiar (colaborador do DX Clube do Brasil), Fran Unsworth afirma que as áreas para onde a BBC expandirá suas transmissões foram definidas pela própria emissora e não pelo governo. No passado, quando o Serviço Mundial dependia do financiamento governamental britânico para suas emissões, o Foreign Office definia para onde essas transmissões seriam feitas. Unsworth informou que, atualmente, o Foreign Office detém o poder de veto às emissões: a BBC apresenta seus planos e o governo os aprova, ou pode vetá-los se assim desejar.

Fran Unsworth afirmou ainda que não estão nos planos da BBC expansões dos serviços em português, seja para o Brasil ou para a África de expressão portuguesa. Ela considera que o serviço digital oferecido pela BBC Brasil é suficiente para atender a audiência de fala portuguesa. A BBC Brasil atinge atualmente 22 milhões de pessoas.

O rádio em ondas curtas seguirá sendo empregado nas transmissões da BBC para regiões onde os serviços digitais ainda não são disponíveis. Para Unsworth, o rádio em ondas curtas não é a tecnologia a ser usada no futuro, devido à baixa qualidade de som. Contudo, ele ainda precisa ser utilizado nas transmissões para algumas áreas do mundo, como a Coreia do Norte, por exemplo. O novo serviço em língua coreana será destinado às duas Coreias: “não desejamos derrubar o regime norte-coreano, apenas transmitir informações independentes a quem não dispõe delas”, afirma a diretora geral do Serviço Mundial da BBC.

O programa Over to You com a entrevista com a diretora geral do Serviço Mundial da BBC, Fran Unsworth, foi transmitido em 5 de dezembro de 2015 e estará disponível por um mês no site do programa.

 

Deixe uma resposta